O velho que lia romances de amor

O Velho que lia Romances de Amor”
É um livro de memórias, pois Luís Sepúlveda, o autor, recorda e relata a sua própria experiência na selva amazónica durante o tempo em que lá viveu, dando origem a esta obra, na qual se evidencia a crítica à sociedade materialista.
 O velho que lia romances de amor, é um livro que conta a história de Antonio Proaño, um homem que vivia numa aldeia com a sua mulher. Certo dia, o casal decide participar no plano de colonização da Amazónia, pois o Governo prometia grandes extensões de terra e ajuda técnica.
Passados dois anos na floresta, a mulher de Antonio Proaño morre contagiada pela malária, doença que já tinha matado muitos dos colonos.
Mais tarde, Antonio foi mordido por uma serpente e foi salvo por um índio shuar que o leva para a sua aldeia. Após uns dias, Antonio recupera totalmente e decide viver com eles na selva e ser como eles, tornando-se, rapidamente, num destemido caçador.
Infelizmente, passado algum tempo de convivência com os Shuar, Antonio Proaño é expulso da aldeia porque matou um homem com uma espingarda e, segundo esta tribo de índios, isso estava incorreto pois a batalha não tinha sido justa.
A partir daí, descobriu o seu gosto pela leitura de romances que um dentista daquela zona lhe trazia duas vezes por ano.
Mais tarde, já vivendo em El Idílio é forçado por Babosa (administrador daquela aldeia), a partir em perseguição de um predador.


 António acaba por matar a onça, mas sente-se frustrado com o seu ato e volta para a sua casa, continuando a leitura dos seus livros de romances que lhe faziam esquecer a maldade e o egoísmo humanos.

Sem comentários: